FGTS Servidor ContratadoFinanciamento de veículoDireito Previdenciário


Ações Indenizatórias


Entenda como servidores públicos e beneficiários do INSS estão sendo lesados ao realizarem  empréstimos consignados.


O consumidor (Servidores públicos e beneficiários do INSS) realiza um empréstimo junto ao banco, acreditando se tratar de um empréstimo consignado. Porém, na verdade, trata-se de um empréstimo realizado através de um saque em cartão de crédito, no qual o banco realiza o crédito em conta do servidor/beneficiário do INSS, e inicia os descontos na forma de consignada, muito parecida com um empréstimo normal.


Nesta modalidade, as instituições financeiras mantem a taxa de juros de saque em cartão de crédito convencional e ainda aproveita da consignação mensal como garantia do contrato. Gerando assim, uma dívida eterna, pois o valor descontado não é suficiente para amortizar o saldo devedor. Incidindo desta forma o pagamento de juros elevados além dos encargos do refinanciamento mensal.


Ação Judicial


A ação judicial busca rever as cláusulas e condições do contrato para que seja aplicado devidamente a taxa de juros devida da modalidade pretendida: empréstimo consignado, além de pleitear a devolução em dobro dos valores pagos a maior e dano moral.


Decisões favoráveis


Diversos consumidores já conseguiram na justiça sentenças favoráveis nesta ação. Este foi o caso de uma cliente do Brettas e Reis Advogados, que havia realizado um empréstimo de R$2.478,00 em abril de 2014. De lá para cá foram realizados descontos mensais em seu contracheque, que somam um valor total de mais de R$14.000,00. Na decisão, o Juiz determinou que as cobranças no cartão de crédito sejam canceladas até que os cálculos devidos sejam realizados e devolvido o valor pago a maior além da condenação em dano moral.


Caí em um golpe na Internet. O que fazer?


Veja o caso real de uma consumidora que ganhou o ressarcimento de mais de 8 mil reais.


Ser vítima de um golpe pela Internet, infelizmente, não é uma situação incomum. Golpistas se aproveitam da fragilidade dos sistemas de segurança dos bancos, instituições financeiras e grandes lojas de departamento para emitir boletos falsos ou realizar roubo de identidade, contraindo dívidas em nome das vítimas.


Ao notar que foi vítima em um golpe, é preciso manter a calma. Existem medidas cabíveis para minimizar os prejuízos. Este foi o caso de uma cliente do Brettas e reis Advogados, que foi vítima do golpe do pagamento do boleto falso. Quando a vítima identificou o golpe, ela logo procurou a equipe do Brettas e Reis para tomar as medidas cabíveis. Através de ação judicial, ela ganhou o ressarcimento do valor pago indevidamente, acrescido de juros e correção monetária, mais danos morais, no valor de 8 mil reais.


Na ação, o juiz entendeu que a instituição financeira deve responder pelos danos gerados relativos a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito das operações bancárias.


Especialistas alertam que quando o consumidor suspeitar que foi vítima de um golpe, é necessário procurar ajuda de uma assessoria especializada o quanto antes. Além disso, é sempre importante ser prudente. Por mais que os seus direitos sejam protegidos, evitar golpes é sempre a melhor saída.





 


 

© 2009 - 2015 - BRETTAS & REIS ADVOGADOS Todos os direitos reservados