CemigFGTS Servidor ContratadoFinanciamento de veículoDireito Previdenciário

BV Financeira está proibida de cobrar tarifa de cadastro


Os consumidores ganharam ontem mais um round na Justiça contra a cobrança de taxas que podem elevar o valor do contrato de financiamentos em até 15%. O Instituto Mineiro de Políticas Sociais e de Desfesa do Consumidor (Polisdec) tem em curso ação coletiva, inicada em 2010, contra 15 instituições financeiras com objetivo de suspender a cobrança de tarifas consideradas ilegais pela entidade, como as de registro de contrato, serviços de terceiros, custos de serviços recebidos e Tec (para execução de carnês). Sentença da 23ª Vara Civil publicada ontem proíbe a BV Financeira de cobrar as taxas nos contratos futuros e ainda condenou a instituição a devolver a todos os consumidores do país que celebraram contrato de financiamentoos valores cobrados das tarifas, corrigidas monetariamente, desde a data do pagamento.
 
Decisão semelhante já atingiu os bancos Santander , Fiat, Intermedium e GMAC (Chevrolet Serviços Financeiros). Segundo Lillian Salgado, advogada do Polisdec e repsonsável pela ação coletiva, como existe cunho social na matéria, a Justiça não tem concedido efeito suspensivo em caso de recurso à instâncias superiores. “Isso significa que mesmo recorrendo, os bancos devem suspender a cobrança em seus contratos futuros. Já a restituição dos valores para quem pagou as taxas, deve ser feita aos consumidores que ajuziarem ação, com pagamento após o trânsito em julgado”, explicou a advogada.
 
A ação coletiva tem efeito nacional, mas cada instituição vem tendo seu julgamento de forma individual. A ação do Polisdec contou com o apoio do Procon Assembleia devido ao grande número de reclamações envolvendo a cobrança de tarifas. De acordo com Lilliam Salgado a prática da cobrança é abusiva. “Visa a aumentar o lucro dos bancos e compensar a exclusão de tarifas já proibidas pelo Banco Central”, defendeu.
 
A designer Branca Prates é uma das consumidoras listadas no processo coletivo. Em 2009 ela comprou um carro usado, financiado pela BV. Ela pagou R$ 5 mil de entrada ao vendedor e financiou outros R$ 10 mil em 36 parcelas. Só a taxa de serviços cobrada pelo banco somou o equivalente a R$ 1 mil, ou 10% do valor total do financiamento. “Entrei na ação não tanto pelo valo, mas porque a cobrança é indevida. Quando o processo terminar vou pleitear a devolução com juros e correção”, afirmou a designer.
 
Procurada pela reportagem a BV Financeira, braço do Banco Votorantim, apenas informou em nota que a instituição não comenta ações que estão em discussão na Justiça.
 
 
Fonte: Estado de Minas

  • Share :


 

© 2009 - 2015 - BRETTAS & REIS ADVOGADOS Todos os direitos reservados